segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Veja, France-Presse, Miss Mundo e o mau jornalismo

Selfie de Miss Israel com Miss Líbano vira 'incidente diplomático'
O concurso de Miss Universo ganhou tintas geopolíticas e teve um pequeno 'incidente diplomático' após um episódio prosaico neste domingo envolvendo uma selfie. A Miss Israel se intrometeu na foto da Miss Líbano, despertando a indignação da libanesa. 
"Desde que cheguei [em Miami, onde acontece a competição], tenho sido extremadamente cuidadosa para não aparecer em fotos nem me comunicar com a Miss Israel", contou Saly Greige, Miss Líbano, em sua página do Facebook.
Saly explicou que, no momento em que posava com a Miss Japão e com a Miss Eslovênia, Doron Matalon, a Miss Israel, se aproximou e tirou uma fotografia com a sua câmara, postando-a imediatamente na rede social Instagram. A selfie foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais, dividindo os internautas libaneses a favor e contra a jovem.
A candidata israelense respondeu neste domingo no Facebook: "Não me surpreende [a reação negativa dos internautas], mas me entristece. Que pena que não podemos deixar as hostilidades de lado", escreveu. 
Os dois países estão tecnicamente em guerra desde o último conflito de 2006 entre o movimento libanês Hezbollah e Israel. A região das Colinas de Golã, ao norte de Israel e ao sul do Líbano, são palco de frequentes hostilidades entre os dois países e, por causa disso, abrigam um frota permanente de soldados da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) para ajudar na manutenção da paz. 
(Com agência France-Presse) 

O que realmente aconteceu:

A Miss Israel e a Miss Líbano (que é maronita) estavam mantendo boas relações e convivendo sem problemas, mas assim que Doron Matalon, de Israel, postou em redes sociais a foto que ambas tiraram juntas, os árabes - e não só os libaneses - como pode ser visto em seu instagram, começaram a hostiliza-la e a exigir que ela perdesse o título de Miss Líbano. Para acalmar os ânimos, a Saly Greige foi forçada a repudiar a foto que, obviamente, foi tirada de caso pensado. Uma libanesa de hijab, atacando sua compatriota, chegou a perguntar em seu instagram se a Miss Israel a "forçou a sorrir".

O mesmo aconteceu com a Miss Egito, que posou amistosamente com a Miss Israel:





Mas já foi dito que a representante do Egito, Lara Debanna, teria sido instruída por "gente importante" a manter distância da miss israelense, e para evitar ser fotografada com ela sob qualquer circunstância.

Infelizmente, o site da Veja preferiu o caminho fácil, simplesmente traduzindo uma matéria da questionável Agence France-Presse em vez de fazer uma rápida investigação por conta própria e noticiar o fato corretamente. Assim, a Veja acabou ignorando o verdadeiro motivo de toda essa "crise" - como os árabes odeiam visceralmente qualquer israelense e não conseguem nem mesmo tolerar a idéia de que qualquer outro árabe possa manter boas relações com eles. A Veja transformou o assunto em uma picuinha entre modelos causada por uma israelense intrometida...

Sobre a questionável Agence France-Presse:

Pichação em centro cultural francês em Gaza: "Deus os amaldiçoe, adoradores da cruz"; Agence Frace-Presse noticia o caso mas omite deliberadamente o ataque a cristãos

terça-feira, 18 de novembro de 2014

A CNN é pro-Israel?

Na manhã de hoje, dois terroristas árabes invadiram uma sinagoga com uma faca e com uma pistola e mataram 4 pessoas enquanto elas rezavam. Eles acabaram mortos depois de ainda trocar tiros com a polícia (ferindo gravemente um policial árabe druso).

Eis aqui como a CNN noticiou o ocorrido:



Primeiro o canal americano falou em "ataque a uma mesquita"




Depois colocou em sua chamada que a "polícia atirou e matou 2 palestinos":



E por fim "corrigiu" os erros noticiando que "4 israelenses e 2 palestinos [foram] mortos em ataque a sinagoga":



Mas o pior ainda estava por vir. Ashleigh Banfield, uma apresentadora da CNN, afirmou que como o serviço militar em Israel é obrigatório, então qualquer israelense pode ser considerado um alvo legítimo. Doentio. 


http://therightscoop.com/disgusting-cnn-host-defends-palestinian-argument-that-all-israelis-can-be-targeted/

sábado, 30 de agosto de 2014

Revelando a identidade dos "civis" mortos em Gaza


Todos esses mortos foram classificados como civis pela imprensa e por organizações de direitos humanos: 
Ibrahim Ahmed al-Hashash/ إبراهيم أحمد الحشاش , Mohammed Ahmed al-Hashash/ محمد أحمد الحشاش , Mas'oud Ahmed al-Hashash/ مسعود أحمد الحشاش , Said Ahmed al-Hashash/ سعيد أحمد الحشاش e Mohammed Mousa al-Hashash/ محمد موسى الحشاش
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/familia-terrorista-e-morta-em-operacao.html

Mahmoud Abdul Nasser Bahar/ محمود عبد الناصر بهار
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/ong-de-direitos-humanos-mostra-outro.html

Abdel Rahman Jamal al-Zamli/ عبد الرحمن جمال الزاملي
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/humanizando-terroristas-abdel-rahman.html 

Ibrahim Jamal Nasser/ ابراهيم جمال ناصر , Rushdy Nasser/ رشدي ناصر , Mohammed Mostafa Salhiyya/ محمد مصطفى صالحية , Wasseem Reda Salhiyya/ وسيم رضا صالحية , Mohammed Reda Salhiyya/ محمد رضا صالحية , Mohammed Awad Nasser/ محمد عواد ناصر , Mohammed al Surry/ محمد ساري e Mustafa Reda Salhiyya مصطفى رضا صالحية
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/9-terroristas-mortos-entre-eles-3.html

Ahmed Abdel Hakim al-Astal/ احمد عبد الحكيم الاسطل e Mahmoud Zaki al-Laham/ محمود زكي اللحام
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/ong-de-direitos-humanos-al-mezan-center.html
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/al-jazira-e-international-middle-east.html

Ibrahim Mohammed al-Masharawi/ ابراهيم المشهراوي
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/ong-de-direitos-humanos-diz-que.html

Ibrahim Jamal Kamal Nasser/ ابراهيم جمال ناصر e Mohammed Salhiya/ محمد مصطفى صالحية
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/08/organizacoes-de-direitos-humanos-listam.html

Amjad Zaher Hamdan/ أمجد زاهر حمدان
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/07/ong-de-direitos-humanos-afirma-que.html

Mohammed Khalil al-Buraim/ محمد خليل سمور البريم
http://palestinalivree.blogspot.com.br/2014/07/ongs-de-direitos-humanos-afirmam-que.html

domingo, 27 de julho de 2014

"Israel comete crimes de guerra quando bombardeia Gaza"

Retirado do blog PALESTINA LIVRE

Ibrahim Khreisheh, o representante palestino no Conselho de Direitos Humanos da ONU, explica porque Israel não comete nenhum crime quando ataca Gaza -- mesmo quando civis morrem -- e porque os palestinos não recorrem ao Tribunal Penal Internacional: porque são eles que cometem crimes de guerra quando atacam Israel. 

No fim da entrevista ele ainda oferece um conselho muito útil a todos que discutem o conflito: "As pessoas precisam se instruir mais antes de falar de forma emocional."

Programa apresentado no dia 9 de julho de 2014, no canal oficial da Autoridade Palestina




Apresentadora: A demanda popular é recorrer ao Tribunal Penal Internacional e assinar o Estatuto de Roma. E demandam que isso seja feito imediatamente. Até que ponto isso é realista? 
Você é nosso representante em todas os organizações internacionais... que tipo de vantagem teríamos nesse caso? E será que poderíamos ser indiciados?

Ibrahim Khreisheh: Eu não sou candidato em nenhuma eleição palestina, então eu não preciso ganhar popularidade com a população.
Os mísseis que estão sendo lançados agora contra Israel... cada um deles constitui um crime contra a humanidade -- não importa se acertam ou erram -- porque são disparados em direção a alvos civis.

Portanto, alvejar civis -- seja um ou mil deles -- é considerado um crime contra a humanidade. 

Apresentadora: E é por isso que Israel recorreu a um ataque contra Gaza...

Ibrahim Khreisheh: Apelar ao Tribunal Penal Internacional requer um consenso, por escrito, de todas as facções palestinas.
Então, quando um palestino for morto por seu envolvimento na morte de um civil israelense, não seremos culpados por extraditá-lo.

Por favor, observe que muitos do nosso povo em Gaza apareceram na TV e disseram que o exército israelense os avisou para evacuar suas residências antes dos bombardeios.
Nesse caso, se alguém for morto, a lei considera isso um erro e não uma morte intencional, porque os israelenses seguiram os procedimentos legais.

Quanto aos mísseis lançados pelo nosso lado... nós nunca avisamos onde eles vão cair ou sobre as operações [militares] que realizamos.

Portanto, as pessoas precisam se instruir mais antes de falar de forma emocional sobre apelar ao Tribunal Penal Internacional.

domingo, 13 de julho de 2014

A tragédia na Síria

De acordo com o jornal libanês The Daily Star, a guerra civil na Síria chegou a 170.000 mortos -- 56.495 deles eram civis. Você não ficou sabendo pela Globo porque não tem como culpar Israel... 

http://www.dailystar.com.lb/News/Middle-East/2014/Jul-10/263416-syria-war-toll-tops-170000-one-third-civilians.ashx#ixzz37Da5teiO

Exemplos de como a imprensa árabe é menos anti-Israel que a brasileira

(retirado de um status do Facebook)

Sabe aquele seu conhecido pentelho que reclama do "terrorismo de estado" de Israel, que critica a ofensiva israelense ou que considera o Hamas legítimo? Pode dar os parabéns, ele é mais anti-Israel que os próprios árabes:

'Amr Mustafa (ator egípcio): مطلوب من غزة التطهر من حماس، واحنا نساعدكم.
"Livrem-se do Hamas e nós os ajudaremos."
http://www.alwatanvoice.com/arabic/news/2014/07/11/565830.html

al-Bashayer (jornal egípcio) criticando o envio de 500 toneladas de alimento do Egito para Gaza: إن مستوي معيشة المواطن الغزاوي أعلي بكثير من مستوي معيشة المواطن المصري
"O padrão de vida dos moradores de Gaza é muito mais alto que o do cidadão egípcio"
http://elbashayer.com/news-391567.html

Hamdi Bakhit (ex-general egípcio): بأي احتلال إسرائيلي لغزة ففي كل الأحوال سيكون أفضل من حكم حركة حماس التي تقصف إسرائيل بالصواريخ ليلاً ونهاراً وتحرم الشعب الإسرائيلي الإحساس بالأمن.
"A [re]ocupacão israelense de Gaza será melhor que o governo do Hamas, que bombardeia Israel com foguetes dia e noite e priva o povo de uma sensação de segurança."
http://wadymasr.com/2014/07/11/1283117.html

Azza Sami (do jornal al-Ahram): كتر خيرك يا نتنياهو ربنا يكتر من امثالك القضاء على حماس اس الفساد والخيانة والعمالة الاخوانية وقسما بالله...
"Obrigado Netanyahu, e que Deus nos dê mais gente como você para destruir o Hamas, a base de corrupção, da traição e o agente da Irmandade Muçulmana"
https://twitter.com/oussamaDBO/status/486565083519418368/photo/1

domingo, 30 de março de 2014

Karl Marx e a maioria judaica em Jerusalém em 1854

Em 1854, antes mesmo do início do movimento sionista (sua primeira convenção foi no ano de 1897), a população judaica da Palestina já era de dezenas de milhares.
Ainda de acordo com Marx, que se baseia no censo do império turco-otomano, a minoria muçulmana era formada por turcos e mouros, além de árabes.

Karl Marx acaba com três mitos de uma só vez:
Ele mostra que os judeus já eram maioria na cidade quase meio século antes do sionismo;
que a minoria muçulmana era formada por não-nativos;
e que não havia coexistência antes do sionismo.