terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Essays on the History of the Land of Israel

by Samuel Katz*

Early History
Continuous Jewish Presence in the Holy Land
Awakening in the Christian world in support of a Jewish Restoration 1830-1930
Arab Claims to Palestine
Joint Arab-Jewish agreement on Jewish Homeland, between Emir Feisal Husseini and Dr. Weizmann, January 3, 1918
Jewish proposal for Jewish Homeland, presented to the Paris Peace Conference, 1919
Feisal-Frankfurter Correspondence, further to Arab proposal for Jewish Homeland, March 3, 1919
American Proposal for Jewish Homeland, January 21, 1919
Preamble to the League of Nations Mandate, 1922

Later History
British Plans against France, and against the Jews in 1915
Britain, Haj Husseini and the Arab Riots of 1920
British Efforts Against the Nascent Israeli State, in 1948
The Origin of the Dispute: Israel attacked before there were Refugees & before any "Occupied Territories" in 1948
Arab Refugees, and the "Right of Return"
The War before the Six Day War in 1967
Black September, The PLO's attempt to take over Jordan in 1970
Modern Arab Propaganda has incorporated Soviet Propaganda originally used to suppress dissident Soviet Jews
Modern Arab Propaganda has incorporated Nazi Propaganda
The 1973 Yom Kippur War, a study in Soviet Era Politics
Peace Agreement with Egypt & Begin's plan for Palestinian Autonomy in 1979
Israel's Invasion of Lebanon in 1982, Operation Peace for the Galilee; the routing of the PLO; Its rift with Syria & Creation of PLFP; Islamic control of Lebanon; Emergence of Hamas and first Suicide Bombers
The history of the PLO and the International Legitimization of Terrorism

The myth of "Palestinian" Nationalism and the reality of Arabic-Islamic Nationalism
Bibliography and Source Documents related to Palestinian-Israeli conflict

*During British Mandate rule, he was a member of the high command of the Irgun Zvai Leumi under the leadership of Menachem Begin. Katz was elected a member of the first Knesset of Israel, and, after the Six Day War, he became one of the leaders of the Land of Israel movement. After the victory of the Likud party in the 1977 election, Samuel Katz joined the new government as adviser to Prime Minister Begin. He has since served as a columnist of Maariv and the Jerusalem Post.

Joan Peters has written and lectured widely on the Middle East, Central America, and the Soviet Union. She has contributed to Harper's, Commentary, The New Republic, The New Leader, and other periodicals, and was a White House consultant on the Middle East in 1977.

Roots of the conflict

7th-18th Centuries

The Condition of Palestine

Arab Nationalism

Population Movements





The Lie About the "palestinian people" and "palestinian land"

The Lie About the "palestinian people" and "palestinian land" II

Mais Sobre o "povo palestino"


Political Mythology
· The History and Meaning of the words "Palestine" and "Palestinians", which means "Sea Invader"
· Politically motivated mythology of "Palestine"
· Myths of the Middle East
· More Myths of the Middle East
· A Photographic Tour of the Holy Land 1831-1910

14th-19th Jewish Semi-Autonomy, Migration and Expulsions
·A History of the Jews, a list of expulsions for 2000 years
·Rise of European Nationalism: Expulsion from Spain to Chmielnicki massacres
·Messianic hope and rise of Shabbetai Zvi and his conversion to Islam 1626-1676
·Awakening in the Christian world in support of a Jewish Restoration 1830-1930

1850-1920 Restoration of the Jewish Homeland and Arab-Jewish cooperation
·Descriptive Geography and Brief Historical Sketch of Palestine, 1850
·Ottoman Rule Map (Eve of W.W.I), 1516 to 1917
·British Mandate Map 1920-1946
·British Administrative Division Map 1922 - 1946
·Palestine was inhabited by a mixed population
·Palestine, a land virtually laid waste with little population
·Bareness and oppression of Palestine due to feudal system of taxes by absentee Arab Landowners
·Joint Arab-Jewish agreement on Jewish Homeland, between Emir Feisal Husseini and Dr. Weizmann, January 3, 1918
·Jewish proposal for Jewish Homeland, presented to the Paris Peace Conference, 1919
·Feisal-Frankfurter Correspondence, further to Arab proposal for Jewish Homeland, March 3, 1919

1920-1948 The British Mandate for Palestine
·Document: An Interim Report on the Civil Administration of Palestine to the League of Nations, June 1921, on the condition of Palestine
·Evidence of Haj Amin al-Husseini Before the Royal Commission in 1937 stating Jewish land was legally purchased from Arabs
·The Myth of Palestinian Nationalism, narrowly defined, anti-Semitism
·Arabs in, Jews out: Britain's role in trying to create an artificial Arab majority in Palestine 1920-1948
·British Plans against France, and against the Jews in 1915
·Britain, Haj Husseini and the Arab Riots of 1920
·British Efforts Against the Nascent Israeli State, in 1948
·The proposed partition of Western Palestine in 1938 & The British Policy of Appeasement
·The Struma & The unmitigated policy of the British against Jewish refugees fleeing Hitler's war against them
·Britain's Partition Map 1946
·U.N. Partition Plan Map 1947
·Document: Official British Police Report Regarding Jews' Appeal to Arabs to NOT leave Haifa in 1948
·The Arab Invasion of 1948

1948 Arab and Jewish refugees
·Palestinian Refugees, invited to leave in 1948
·How many Palestinians Refugees? inflating the numbers
·Arab-Jewish Refugees, the other Middle Eastern Refugee problem
·Exchange of Populations
·Why are Palestinian Refugees treated differently than all other refugees in the world?
·Legal Background to the "Palestinian Right of Return"

1948-1967 Early Israeli History
·Armistice Agreements Map 1949
·Fedayeen Raids Map 1951 - 1956
·The Sinai Campaign Map 1956
·Palestinian Refugees, unlike other refugees in the world, were denied resettlement opportunities, for political reasons
·A collection of historical quotations relating to the Arab refugees
·History of Jordan, Jordan as Palestine & Two states for two people, Jordan must contribute
·The Communist - atheist - anti-religious roots of Israeli's political "Left"

1967-1984 Later Israeli History
·Position of Arab Forces Map 1967
·Six Day War Map - June 1967
·Cease Fire Lines Map 1967
·Discrediting Jewish Refugees from Arab Countries, Official Arab "Invitation" for Jews to return, 1970-1977
·"Palestinian" as an Arab ethnic group is a modern political creation since 1967
·Palestinians only one politicized segment of the larger problem of state-less, citizenship-less migrant workers of the Middle East
·Who are the Palestinians?
·Record of the United Nations, why is it so anti-Israel
·Jewish Settlements are Legal according to International Law
·Egyptian Attack Map 1973
·Syrian Attack Map 1973

1984-2000 The Olso Years and the rise of Arabic-Islamic Nationalism
·The First Oslo Agreements, 1993-1995
·U.S. House of Representatives: Task Force on Terrorism, 1996
·Al Aksa Tunnel Riots of 1996
·Corruption within the Palestinian Authority, 1997; PLO has $10b in assets
·U.S. House of Representatives: The Iraqi Weapons of Mass Destruction Challenge - Myths and Reality, 1998
·Peace with Jordan
·The Wye Agreement - November 1998
·Sharm Agreement, 50% Withdrawal, 1999
·Israeli Withdrawal from Lebanon, May 2000
·Proposed 80% Withdrawal, May 2000
·Proposed 95% Withdrawal, July 2000
·Israel's Compromise on it's "Red Lines", Camp David II
·Proposal for dividing Jerusalem, Camp David II, Taba
·Relative sizes of areas in Middle East
·Israel size comparison maps
·Graphs of Increase in Terror and Crime since Oslo
·Arafat’s Strategy: Lebanonization and Entanglement
·The rise of Israel's Oriental Jews (Sefardim), Israel's shift away from secularism

Arabic settlement policy in the West Bank and Gaza
·The West Bank population under Jordanian rule 1948-1967
·Draft Report of Arab Settlement Activity in the West Bank (261 settlements since 1950)
·Illegal Arab immigration into "Palestine" - part of Oslo
·Arab Population in the West Bank & Gaza - THE MILLION-AND-A-HALF PERSON GAP

2000-present The Multi-Media War
·Erasing Jewish History, Destruction of the Temple Mount
·The Main Reason for the Present Middle East Conflict: ISLAM not "The Territories"
·Who Started the Al Aksa Intifada? List of events of Temple Mount Destruction in June, until Ariel Sharon's visit in September
·"How PA Violence was planned", Report by Palestinian Media Watch
·Palestinian Authority Communications Minister says Al Aksa Intifada was planned since July (for six months)
·Breakdown of casualties during the Palestinian-Israeli conflict
·"Palestinians" killing "Palestinians"
·Who killed Muhammad al-Dura?
·I am a Jew. I am a poet. I am heartbroken
·Document: Israeli Government White Paper on PA/PLO non-compliance
·Document: Israel's Preliminary Report To the Mitchell Inquiry
·Journalists describe constant Palestinian intimidation
·Why Israel Newspapers are the most anti-Israel in the world
·History of Israel's Broadcasting Authority: a Politically Left-leaning (Relativistic, Revisionist) ·Ideological Entity
·Media Bias: CNN and others are misreporting the news
·CNN, BBC and others in fierce competition for lucrative, emerging Middle Eastern Markets

Muftism, Nazism, Communism and Traditional Anti-Semitism give birth to Islamism, 1917-present
·The new Arab "identity" derives from the impact of the West in the last fifty years
·Wahhabism, the Saudi Arabia-based puritanical heresy at the base of Islamism
·Haj Amin al-Husseini, the Mufti of Jerusalem
·Muftism and Nazism: World War II Collaboration Documents
·Bosnian Moslems recruited the Nazi SS by Yasser Arafat's 'Uncle'
·Turning the West Bank into another "Bosnia" (Photo Album)
·The Farhud, the Mufti inspired Krystallnacht in Iraq, 1941
·A "Fatwa " Issued by Haj Amin al-Husseini in Iraq, pro-Nazi coup May, 1941
·The Syrian-Iraqi Baath party and its Nazi beginnings
·The Roots of Muslim Rage: Why so many Muslims deeply resent the West, and why their bitterness will not easily be mollified
·The history of the PLO and the International Legitimization of Terrorism
·History of Fedayeen, PLO, Fatah, PFLP, PFLP-GC, DFLP, etc Militant Palestinian Groups
·Saddam Hussein, nephew of Khayrallah Tulfah, of the 1941 Pro-Nazi coup in Iraq
·Hitler and the Arabs, How could they have missed it?
·A technique of propaganda called "Turnspeak"
·Arafat's use of "Turnspeak" to say Israel causes terrorism
·Yasser Arafat's Biography
·Yasser Arafat worthy successor to Haj Muhammad Amin al Husseini
·Yassir Arafat, 1929-2004
·Islamic Sermons on Temple Mount by the grandson of the Haj Amin al-Husseini, 2000

sábado, 3 de janeiro de 2009

20. A Política Americana para o Oriente Médio

“A criação de Israel foi resultado da pressão americana”.

Quando as Nações Unidas assumiram a questão da Palestina. o presidente
Harry Truman afirmou explicitamente que os Estados Unidos não “usariam
ameaças ou pressões impróprias de qualquer ordem sobre outras delegações”.1

Não obstante, alguma pressão houve, e os EUA desempenharam um papel
importante na manutenção do apoio à resolução da partilha. Contudo, a
influência dos EUA era limitada, o que ficou claro quando nações alinhadas
aos Estados Unidos, como Cuba (naquela época) e Grécia votaram contra a
partilha, enquanto El Salvador e Honduras se abstiveram.

Muitos membros do Governo Truman eram contra a partilha, entre eles o
secretário de Defesa, James Forrestal, que acreditava que o sionismo constituía
uma ameaça para os estoques de petróleo americanos e sua posição
estratégica na região. O Pentágono temia que os árabes pudessem se alinhar
com os soviéticos no caso de serem marginalizados pelo Ocidente. Esses
opositores internos fizeram um grande esforço para inverter o apoio dos EUA
ao estabelecimento de um Estado judeu.2

Se por um lado muito tem sido escrito sobre as táticas dos defensores da
partilha, a conduta dos países árabes vem sendo ignorada há tempos. Na
verdade, dentro da ONU, eles estavam fortemente engajados numa quedade-
braço com sua própria gente, tentando impedir a partilha.3

“Os EUA ajudaram Israel contra os árabes
em 1948 devido a pressões do lobby judaico”.

Truman apoiou o movimento sionista porque acreditava que a comunidade
internacional tinha a obrigação de cumprir a promessa da Declaração Balfour
e porque era o que deveria ser feito humanitariamente a fim de melhorar a
situação dos judeus sobreviventes do Holocausto. Ele não acreditava que os
direitos dos árabes devessem ser ou fossem conciliados. Pode-se ter uma
idéia de sua opinião a partir do seu comentário sobre as negociações quanto
às fronteiras do Estado judeu:

“Toda a região aguarda por desenvolvimento, e se isso fosse feito
do modo como desenvolvemos a bacia do Rio Tennessee, ela
teria condições para acolher entre 20 e 30 milhões de pessoas
ou mais. Conforme uma visão construtiva e humanitária, o que
deveria ser feito de fato seria abrir a porta para esse futuro, o que
também redimiria as promessas feitas à época da Primeira Guerra

O povo americano apoiou a política do presidente. Segundo pesquisas de
opinião pública, 65% dos americanos apoiava a criação de um Estado judeu.
Só no terceiro trimestre de 1947, 62.850 cartões postais, 1.100 cartas e
1.400 telegramas inundaram a Casa Branca, a maioria pedindo ao presidente
para exercer a influência americana nas Nações Unidas.5

Esse apoio público obteve reflexos no Congresso, onde uma resolução que
respaldava a Declaração Balfour fora adotada em 1922. Em 1944 ambos os
partidos nacionais pediram a restauração de uma nação judaica e, em 1945,
o Congresso adotou uma resolução semelhante.

Em vez de se render às pressões, Truman tendeu a reagir negativamente ao
“lobby judaico”. Ele se queixava constantemente de estar sendo pressionado
e chegou a falar em empilhar a propaganda dos judeus e acender um fósforo
sobre ela. Numa carta a Claude Pepper, Truman escreveu: “Se não fosse pela
interferência injustificada dos sionistas, já teríamos equacionado o problema
há um ano e meio”.6 Dificilmente essa seria a atitude de um político demasiadamente
preocupado com os votos dos judeus.

“A maioria dos americanos se opõe a
uma relação estreita dos EUA com Israel”.

O apoio a Israel não está restrito à comunidade judaica. Americanos de todas
as idades, raças e religiões simpatizam com Israel. Esse apoio tampouco é
político-partidário, uma vez que a maioria dos democratas e republicanos
tem favorecido Israel de maneira constante e com grande preponderância
sobre os árabes.

A melhor indicação da atitude dos americanos quanto a Israel está na
resposta à pergunta mais feita sobre o Oriente Médio: “Sobre a situação do
Oriente Médio, você simpatiza mais com Israel ou com as nações árabes?”
O Instituto Gallup é a organização que conduz a maior parte das pesquisas.
O apoio a Israel em suas pesquisas tem se mantido consistentemente ao
redor de 50% desde 1967.

Em 63 pesquisas Gallup desde 1967, Israel recebeu o apoio médio de 46%
do povo americano contra apenas pouco mais de 12% para os países árabes
e os palestinos. Os americanos nutrem uma simpatia um pouco maior pelos
palestinos em relação aos países árabes, mas os resultados das pesquisas
que pedem aos entrevistados para escolherem entre Israel e os palestinos
não diferem significativamente das demais pesquisas.

Algumas pessoas têm a percepção equivocada de que a simpatia por Israel já
foi muito maior, mas a verdade é que antes da Guerra do Golfo houve um
pico de 56%, o mesmo alcançado logo após a Guerra dos Seis Dias. Em
janeiro de 1991 a simpatia por Israel alcançou um recorde de 64%, segundo
o Gallup. Por outro lado, o apoio aos árabes caiu para 8%, com uma diferença
recorde de 56 pontos percentuais.

A pesquisa Gallup publicada em junho de 2002 verificou que a simpatia por
Israel era de 49% contra apenas 14% em favor dos palestinos, o que excede
o apoio médio a Israel, embora ainda esteja abaixo do recorde de 64% de
apoio durante a Guerra do Golfo.

A maioria dos entrevistados não acredita que os Estados Unidos devem tomar
partido no conflito, mas aqueles que assumem um lado apóiam Israel na
proporção de dez contra um (Gallup, abril de 2002). Mais de 75% dos
americanos também acredita que a paz entre palestinos e israelenses é algo
importante ou muito importante para os Estados Unidos.

As pesquisas também indicam que o público vê Israel como um aliado confiável
dos EUA, sentimento que se tornou mais forte durante a crise do Golfo.
Por exemplo, uma pesquisa do Instituto Harris Poll de 1991 verificou que 86%
dos americanos considera Israel um aliado próximo ou amigável. Esse foi o
nível mais alto jamais registrado numa pesquisa desse instituto. Em maio de
2002, uma pesquisa da ADL (Liga Anti-Difamação) verificou que 64% dos
americanos concordava que “Israel pode ser considerado um aliado leal”.

“A política dos EUA tem sido sempre hostil aos árabes”.

Os árabes raramente reconhecem o papel dos Estados Unidos em ajudá-los
a obter a independência. A atitude do presidente Wilson em favor da
autodeterminação de todas as nações e a entrada dos EUA na Primeira
Guerra Mundial ajudaram a provocar a dissolução do Império Otomano e a
estimular o movimento para a independência no mundo árabe.

Os árabes sempre afirmam que a política do Oriente Médio deveria ser
imparcial, enquanto o apoio ao inimigo, Israel, coloca-os necessariamente
em desvantagem. Por isso, tentam forçar os Estados Unidos a escolher entre
eles e Israel. Normalmente os EUA têm se recusado em cair nessa armadilha.

O fato de os Estados Unidos manterem uma estreita aliança com Israel ao
mesmo tempo em que mantêm boas relações com diversos países árabes
comprova que as duas coisas não são incompatíveis.

Há muito que os EUA buscam manter boas relações com os líderes árabes e,
em certas épocas, estiveram em alto nível. Na década de 1930, a descoberta
de petróleo levou as companhias americanas a estreitar relações com os
árabes do Golfo. Na década de 1950, os objetivos estratégicos dos EUA
estimularam um esforço para a formação de uma aliança de países árabes
pró-Ocidente. Nações como Iraque e Líbia eram amigos dos Estados Unidos
antes que alguns líderes radicais se apoderassem de seus respectivos
governos. O Egito, que era hostil aos EUA sob o regime de Nasser, com Sadat
passou para o campo pró-Ocidente.

Desde a Segunda Guerra Mundial os EUA têm prestado ajuda econômica e
militar à região e hoje em dia é o principal parceiro de nações como Jordânia,
Arábia Saudita, Marrocos, Egito e os emirados do Golfo. Embora os países
árabes culpem os Estados Unidos por suas derrotas nas guerras que eles
mesmos iniciaram contra Israel, a verdade é que os Estados Unidos têm dado
ou oferecido ajuda para a maioria dos beligerantes em algum momento.

Numa dada ocasião parecia que os EUA haviam perdoado a agressão de um
país árabe contra outro. Em 1963, por exemplo, reconheceram o regime
fantoche instalado pelos egípcios no Iêmen. Em 1991, enquanto fazia a
agressão de Saddam Hussein no Golfo recuar, o governo Bush fechou os
olhos quando a Síria completou sua virtual anexação do Líbano.

Enquanto Israel só é capaz de contar com a ajuda dos Estados Unidos, os
países árabes sempre puderam contar com uma gama de países ocidentais,
bem como com a União Soviética e seus aliados.

“Os Estados Unidos apóiam Israel
de maneira automática desde 1948”.

Os Estados Unidos são o aliado mais próximo de Israel em toda a sua história;
contudo, por muitas vezes já atuaram contra as pretensões do Estado judeu.

O empenho dos EUA em equilibrar o apoio a Israel com o apaziguamento dos
árabes começou em 1948, quando Truman titubeou quanto à partilha e a
defender a custódia. Após a invasão de Israel pelos países árabes ao redor, os
EUA mantiveram o embargo de armas, o que restringiu fortemente a capacidade
dos judeus se defenderem.

“As nações aliadas à concorrência plena de nosso governo e de
nosso povo concordam que devem ser estabelecidas na Palestina
as fundações de uma nação judia”.
- Woodrow Wilson, presidente dos EUA (3 de março de

Desde a guerra de 1948 os Estados Unidos se mostram dispostos a insistir em
projetos de reassentamento de refugiados árabes, bem como são relutantes
em questionar as violações árabes à Carta da ONU e às suas resoluções.

Assim, por exemplo, os árabes tiveram permissão para seguir adiante com o
bloqueio do Canal de Suez, boicotar Israel e cometer ações terroristas. Na
verdade, os EUA costumam adotar mais atitude contra Israel nas Nações
Unidas do que em seu favor e só usou seu poder de veto no Conselho de
Segurança para impedir uma resolução contra Israel a partir de 1972.

Talvez o exemplo mais dramático de como a política americana pode divergir
da israelense ocorreu durante a Guerra de Suez, quando o presidente
Eisenhower assumiu uma dura atitude contra Grã-Bretanha, França e Israel.

Após a guerra, a pressão americana forçou Israel a se retirar do território que
havia conquistado. David Ben-Gurion confiou em garantias americanas
dúbias, que lançaram as sementes de conflito de 1967.

Presidentes americanos adotaram ações contra Israel em diversas outras
ocasiões. Em 1981, por exemplo, Ronald Reagan suspendeu um acordo de
cooperação estratégica após Israel anexar as Colinas de Golã. Em outra
ocasião, suspendeu a entrega de aviões de combate devido à sua insatisfação
com a incursão israelense no Líbano.

Em 1991, o presidente Bush concedeu uma entrevista pedindo mais tempo
para avaliar um pedido israelense de garantias de empréstimo com fins de
ajudar a absorver judeus soviéticos e etíopes por discordar da política israelense
de assentamentos. Ao apostar o seu prestígio nesse atraso, Bush usou uma
linguagem destemperada que inflamou os ânimos e fez com que a
comunidade judaica temesse por um afloramento do anti-semitismo.

Embora seja quase sempre descrito como o presidente mais pró-Israel da
história, Bill Clinton também foi muitas vezes um crítico de Israel. O Governo
George W. Bush tampouco hesitou em criticar Israel por ações que considerava
contrárias aos interesses americanos, mas em geral é mais reservado
em suas declarações públicas.

“Os EUA sempre forneceram armas para garantir
a superioridade militar de Israel sobre os árabes”.

Antes de 1962, os Estados Unidos proporcionaram apenas uma quantidade
limitada de armas a Israel, inclusive munição e fuzis sem recuo (coice).
Naquele ano, o presidente Kennedy só vendeu mísseis antiaéreos Hawk depois
que a União Soviética forneceu bombardeiros de longo alcance ao Egito.

Em 1965, os EUA se converteram no principal fornecedor de armas para
Israel. Isso ocorreu em parte devido ao fato de a Alemanha Ocidental, cedendo
às pressões dos árabes, ter suspendido a venda de tanques ao Estado judeu.

Todavia, durante quase todo o Governo Johnson a venda de armas a Israel foi
equivalente a transferências do mesmo porte para os árabes. Assim, a primeira
venda de tanques americanos para Israel, em 1965, foi compensada por
uma venda semelhante à Jordânia.7

Os EUA só passaram a fornecer aviões para Israel a partir de 1966. Daí em
diante, foram estabelecidos acordos secretos para fornecer os mesmos aviões
ao Marrocos e à Líbia e foi vendido equipamento militar adicional para Líbano,
Arábia Saudita e Tunísia.8

Assim como em 1948, os Estados Unidos impuseram um embargo de armas
a Israel durante a Guerra dos Seis Dias, ao mesmo tempo em que os árabes
continuaram a receber armas soviéticas. A atitude israelense foi ainda mais
afetada pela decisão francesa de embargar a transferência de armas ao
Estado judeu, encerrando efetivamente seu papel como o outro único principal
fornecedor de armas para Israel.

Só quando ficou evidente que Israel não tinha outras fontes de fornecimento
de armas, ao mesmo tempo em que a União Soviética não tinha interesse em
limitar suas vendas para a região, é que o presidente Johnson concordou em
vender aviões Phantom, que deram ao Estado judeu sua primeira vantagem
qualitativa. “De agora em diante nos tornaremos o principal fornecedor de
armas para Israel”, afirmou o secretário assistente de Defesa, Paul Warnke,
ao embaixador israelense Yitzhak Rabin, “e nos comprometeremos ainda
mais intimamente com a situação de segurança de Israel e mais diretamente
com a dos Estados Unidos”.9

Daí em diante, os EUA passaram a seguir uma política graças à qual a vantagem
qualitativa de Israel foi mantida. Contudo, também continuaram
comprometidos em armar as nações árabes, fornecendo mísseis sofisticados,
tanques e aviões a Jordânia, Marrocos, Egito, Arábia Saudita e países do
Golfo. Assim, quando Israel recebeu caças F-15 em 1978, a Arábia Saudita
também os recebeu (e o Egito recebeu caças F-5E). Em 1981 a Arábia
Saudita recebeu pela primeira vez um sistema de armamentos que lhe deu
uma vantagem qualitativa em relação a Israel: os aviões-radar AWAC.

Atualmente Israel compra equipamentos americanos de ponta, porém muitos
países árabes também recebem alguns dos melhores tanques, aviões e mísseis
dos EUA. A margem de vantagem qualitativa, embora permaneça intacta,
sem dúvida é estreita.

“A ajuda dos EUA ao Oriente Médio é sempre
unilateral, com os árabes recebendo praticamente nada”.

Após a vitória de Israel em sua Guerra de Independência, os EUA
responderam a um apelo por auxílio econômico para ajudar a absorver
imigrantes ao aprovar um empréstimo de US$ 135 milhões pelo Banco de
Importação e Exportação e pela venda de bens excedentes. Tanto nos
primeiros anos do Estado de Israel como hoje em dia, o auxílio americano é
visto como um meio de promoção da paz.

Em 1951, o Congresso americano aprovou uma ajuda para Israel enfrentar
os encargos econômicos impostos pela chegada maciça de refugiados
judeus provenientes dos campos de refugiados na Europa e dos guetos dos
países árabes. Os árabes então se queixaram que os EUA os estava
negligenciando, embora na época não tivessem qualquer interesse no
auxílio americano ou necessidade disso. A Síria recusou ofertas de ajuda
dos EUA em 1951. Iraque e Arábia Saudita, países ricos em petróleo, não
precisavam da assistência econômica americana, e a Jordânia era colônia
britânica até a década de 1950. Depois de 1957, quando os Estados Unidos
se responsabilizaram por manter a Jordânia e retomaram o auxílio econômico
ao Egito, a assistência aos países árabes disparou. Os Estados Unidos
também eram de longe os maiores contribuintes da ajuda aos palestinos
por meio da UNRWA (Agência de Auxílio e Trabalho das Nações Unidas),
status que se mantém até os dias de hoje.

Desde a Segunda Guerra Mundial, Israel tem recebido mais ajuda direta
dos Estados Unidos do que qualquer outro país, mas os montantes recebidos
na primeira metade desse período foram relativamente pequenos. Entre
1949 e 1973, os EUA auxiliaram Israel com uma média de US$ 122 milhões
ao ano, num total de US$ 3,1 bilhões (na verdade, mais de US$ 1 bilhão
desse montante foram empréstimos para equipamento militar entre 1971
e 1973). Antes de 1971, Israel recebeu apenas US$ 227 milhões em ajuda
militar, tudo na forma de empréstimos ou vendas a crédito. O volume de
ajuda econômica a Israel também veio na forma de empréstimos. Em
contrapartida, os países árabes receberam quase o triplo antes de 1971:
US$ 4, 4 bilhões, ou US$ 170 milhões ao ano. Além disso, diferentemente
de Israel, que recebe praticamente toda a sua ajuda dos Estados Unidos, as
nações árabes vêm recebendo assistência de Ásia, Europa Oriental, União
Soviética e Comunidade Européia.

“Nossa sociedade é iluminada pelas reflexões espirituais dos
profetas hebreus. Estados Unidos e Israel têm em comum o
amor pela liberdade humana e a convicção pela forma democrática de vida”.
- Lyndon Johnson, presidente dos EUA, em discurso à Bnai Brith (10 de setembro de 1968).

Israel só passou a receber grandes valores em assistência a partir de 1974,
após a guerra de 1973 e os montantes aumentaram drasticamente depois dos
acordos de Camp David. Israel recebeu desde 1949 mais de US$ 90 bilhões em
ajuda. Apesar de ser um número impressionante, tem sido erodido pela inflação.

Os países árabes que assinaram acordos com Israel também têm sido
recompensados. Desde a assinatura do tratado de paz com Israel, o Egito tem
sido o segundo beneficiado pela ajuda externa americana (US$ 2 bilhões em
2002; Israel recebeu US$ 2,8 bilhões). A Jordânia também tem sido beneficiária
de altos níveis de ajuda desde que assinou um tratado com Israel
(passando de menos de US$ 40 milhões para mais de US$ 225 milhões).
Além disso, também foram perdoadas dívidas multibilionárias dessas duas
nações árabes com os Estados Unidos.

Após os acordos de Oslo, os Estados Unidos também passaram a fornecer
fundos aos palestinos. Atualmente, eles recebem US$ 80 milhões em ajuda
humanitária por meio da Agência Americana para o Desenvolvimento
Internacional (Usaid). A ajuda não é feita diretamente à Autoridade Palestina
porque esta é vista como corrupta. O presidente Bush advertiu especialmente
os palestinos que deveriam trocar seus líderes e aceitar reformas a fim de
obter assistência futura. “Posso lhes garantir”, declarou Bush, “que injetaremos
dinheiro numa sociedade corrupta e sem transparência”.10